Tarot - O Caminho da Vida II

II - A Papisa ou A Sacerdotisa

É a grande mudança do concreto para o abstrato: a criança é, na prática, forçada pelos adultos a perceber que a cada objeto equivale um conceito. É um salto qualitativo, pois NÃO APRENDEMOS A CONVERTER OS OBJETOS EM CONCEITOS, posto que isto é uma capacidade natural que se desenvolve; assim como o peixe nada, a ave voa, o homem fala. Despertam-se aqui as abstrações, o pensamento. Passamos a verbalizar, o mundo do intelecto começa a aflorar no mundo infantil. Estudo; a fala e a escrita.

É nessa fase que a interferência do Sistema se faz sentir. Beneficamente, primeiro, com a ajuda dos pais ou responsáveis pela criança, que o forçam a verbalizar, não aceitando que ele aponte para as “coisas”, e sim chamando-as pelo NOME. Vai-se formando um novo Universo na mente do infante, universo este ao qual chamamos pensamento. As faculdades superiores – a imaginação, o critério, a lógica, o raciocínio – vão-se desenvolvendo como se fossem uma plantinha.

Plantamos TABUS E PRECONCEITOS, querendo ou sem querer, no pensamento infantil: “vá vestir a roupa que tem visita.” Ou: “não fique nu que é feio”. “Homem que é homem, não chora.” E coisas semelhantes, que constituirão a CULTURA da criança. Mas os pais fazem isto por pura inocência, ignorância. Há, contudo, uma “janela para o mundo” (a televisão) que programa de forma perversa a mente, de forma totalmente subliminar (veja exemplos aqui e aqui).

Destaques
Postagens Recentes
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© by ICTYS. Entre em contato clicando aqui: